Setor Público

Smart Cities: Caso internacional e nacional

Por 2 de maio de 2019 Sem comentários

O crescimento populacional demanda que as lideranças planejem a estruturação das cidades para manter a qualidade de vida e proporcionar um desenvolvimento sustentável, a fim de prevenir e solucionar problemas econômicos e sociais. Nesse sentido, apesar de ser uma estratégia recente, as smart cities já fazem parte da programação de localidades do mundo todo.

Há diversos conceitos de cidades inteligentes ou smart cities, desde os que enfatizam a sustentabilidade e o meio ambiente, até outros que são fundamentados na tecnologia e inovação. No geral, as cidades inteligentes são projetos em uma área urbana que envolvem o uso de alta tecnologia de comunicação e informação para otimizar a infraestrutura e melhorar a qualidade de vida nos centros urbanos. Segundo o Cities in Motion Index, do IESE Business School, 10 dimensões apontam o nível de inteligência de uma cidade: administração pública, governança, planejamento urbano, tecnologia, meio-ambiente, coesão social, transporte e mobilidade, conexões internacionais, capital humano e economia.

As smart cities são criadas através do alto investimento em cidades planejadas,incorporando em seu planejamento a introdução de tecnologias e empreendimentos sustentáveis. Outra maneira de tornar uma cidade inteligente é reavaliar os sistemas de cidades já existentes e apontar melhorias que podem ser efetivadas para a otimização da qualidade de vida da população local.

No cenário internacional, uma das maiores referências em smart cities é a cidade de Songdo, na Coreia do Sul, a qual foi a primeira cidade inteligente e sustentável do mundo. O planejamento é baseado em eficiência energética com produção de energia limpa, além de mecanismos de retenção da demanda pluvial a fim de evitar desperdícios através de sistemas de reutilização de água. Songdo é baseada em sistemas inteligentes capaz de monitorar todo seu espaço, garantindo a segurança e qualidade de vida de seus moradores. Ademais, o transporte na cidade é livre da emissão CO2 por meio da implementação de carros elétricos e aquáticos, além de estratégias de transporte coletivo que minimizam o congestionamento. Além de Songdo, estão entre as cidades mais inteligentes: Barcelona (Espanha), Copenhague (Dinamarca), Nova York (EUA), Londres (Inglaterra), entre outras.

No cenário brasileiro, uma iniciativa do Rio de Janeiro se destaca: o projeto Carioca Digital, um portal vivo, criado em 2014, no qual o cidadão pode acessar todos os serviços online oferecidos pela prefeitura do Rio de Janeiro. O sistema integra, em um único lugar, dados personalizados da secretaria de transporte, educação, saúde, habilitação, etc. A finalidade do Carioca Digital é fazer com que o cidadão possa realizar atividades que de fato necessitem da presença dele. Além de gerar economia para os cofres públicos, o projeto oferece qualidade de vida aos cidadãos através da tecnologia e das vantagens que ela promove.

Belo Horizonte é uma cidade que se destaca na categoria “Meio Ambiente” do prêmio Connected Smart Cities- Cidades Inteligentes do Brasil, ocupando o primeiro lugar. A cidade tem uma média de 18 metros quadrados de área verde por habitante, possui 11 Reservas Particulares Ecológicas e o projeto de criação de corredores verdes ecológicos, que vai ampliar as áreas verdes e proteger a fauna e a flora. Outros aspectos avaliados foram o acesso da população ao sistema de água tratada e coleta de esgoto. Recentemente, a cidade colocou em funcionamento sua primeira estação de aproveitamento de biogás. Além disso, a capital mineira ficou em segundo lugar na categoria “Governança”, atrás de Curitiba. No ranking geral, Belo Horizonte ocupa o terceiro lugar, atrás do Rio de Janeiro e São Paulo.

Comentários