Setor Social

Passo a passo do plano de negócios: estruturando uma organização do zero

Por 14 de maio de 2018 Sem comentários

Como falado no texto anterior acerca da importância de um Plano de Negócios para Organizações da Sociedade Civil, a Consultoria Júnior Pública – FGV trabalha com três realidades estruturais em seus projetos, sendo uma delas a realidade de organizações que estão em fase embrionária e devem ser estruturadas do zero.

O texto a seguir tem como intuito desenvolver aspectos fundamentais a serem abordados na realização de um Plano de Negócios que possui como intuito a criação de uma nova organização:

1. Definição do público-alvo e causa com os quais deseja-se trabalhar

O primeiro passo para se criar uma organização é ter-se bem definido qual o público-alvo e com qual causa deseja-se trabalhar. Caso o público-alvo esteja estabelecido, porém a causa não, indicam-se pesquisas tanto a dados secundários (vindos de fontes externas como por exemplo internet), quanto primários (busca por respostas a partir de pesquisas próprias, como por exemplo entrevistas com alguns especialistas no assunto), para que se entenda mais profundamente quais são as principais demandas do público em questão (por exemplo: existe o desejo de ajudar mulheres nas periferias de São Paulo, porém não se sabe quais as melhores formas de atendê-las). De forma semelhante, caso esteja estabelecida a causa com a qual deseja-se trabalhar, porém o público-alvo não, pesquisas como as citadas acima poderão ser feitas para que se entenda qual público possui a maior deficiência no âmbito determinado (por exemplo: existe o desejo de trabalhar com educação, mas não entende-se qual público mais carente em relação à causa).

2. Definição e estruturação das linhas de negócio e dos projetos:

As linhas de negócio são definidas como as frentes com as quais a organização irá atuar. Para que essas frentes sejam bem definidas, é interessante que sejam feitas algumas reflexões, como por exemplo: Como a organização enxerga o problema em questão hoje? Por que a organização deseja atuar com a causa e público-alvo definido? Onde a organização deseja chegar? Ao fim dessas reflexões,  é importante que a organização conclua como será a sua atuação, ou seja, qual será o estabelecimento das linhas de negócio. Para que, assim, posteriormente, elas possam estruturar os projetos dentro de cada uma destas linhas.

3. Definição da identidade organizacional

Deverá ser estabelecida a identidade organizacional da organização, ou seja, a missão, visão e valores que a guiarão. A missão da organização representa o que a organização é, a visão onde ela quer chegar e os valores qual o código de conduta que a organização deseja seguir.

Um exemplo de identidade organizacional para uma OSC que tem como escopo o fomento do esporte entre jovens das periferias da cidade de São Paulo, poderia ser:

  • Missão: “Estimular a prática esportiva entre jovens paulistanos a fim de contribuir para o desenvolvimento e autoestima destes, através de atividades esportivas semanais.”
  • Visão: “Atender no mínimo 4000 jovens até o final de 2018.”
  • Valores: “Comprometimento”; “Empatia”; “Respeito à diversidade”.

Para isso, é importante que todos da organização estejam alinhados em relação à atuação desta e se identifiquem com a mesma.

4. Estruturação interna

O último passo na elaboração do Plano de Negócios será a criação de uma estrutura de gestão que faça sentido para a estratégia pretendida pela organização. Aqui deverão ser criadas as áreas internas, assim como seus objetivos e atividades e a estruturação do organograma.

É importante salientar que os passos citados acima fazem referência ao necessário para criação de uma estrutura de gestão viável, sem levar em conta a parte jurídica, que é indispensável na criação de uma organização. Além disso, cada passo representa um resumo de como deve ser pensada a estrutura de um Plano de Negócios, porém é fundamental ressaltar que cada organização é única e que esses passos podem vir a variar de acordo com a necessidade de cada uma.