Setor Social

Como descobrir quais estratégias de captação utilizar para o próximo ano?

Por 6 de maio de 2020 Sem comentários

Toda organização da sociedade civil necessita de recursos financeiros a fim de promover estabilidade financeira e alcançar o impacto pretendido na sociedade. Para isso, é crucial que se tenha uma estratégia bem definida de captação de recursos, que promova empatia e senso de responsabilidade dos doadores com a causa da OSC e, consequentemente, garanta um futuro próspero à organização.

Segundo Cruz e Estraviz (2000), existem sete fontes financiadoras de recursos para as OSCs: empresas, indivíduos, fundações, governo, geração de renda, instituições religiosas e eventos especiais. Dentro de cada uma delas apresentam-se muitas estratégias de captação de recursos e só por meio de um planejamento coerente é possível encontrar as estratégias mais eficientes e adequadas a cada organização. Para definir as estratégias a serem utilizadas, João Paulo Vergueiro, diretor executivo da Associação Brasileira de Captadores de Recursos (ABCR), dividiu o longo processo em cinco atividades menores: definir a organização, analisar o orçamento do ano anterior, estabelecer os potenciais doadores, escolher as técnicas de captação e, por fim, examinar o que foi definido e compilar as ideias.

Seguindo a linha de raciocínio apresentada, deve-se começar por entender as necessidades e particularidades da organização, o que pode ser feito através de análises internas e externas como a FOFA, que possibilita a identificação de forças, fraquezas, oportunidades e ameaças correspondentes à entidade estudada, a PESTEL, que tem foco nas forças externas que afetam a organização, além de várias outras.

Depois disso, o orçamento da instituição no ano deve ser aprofundado para estimar a quantidade necessária de recursos que deverá ser obtida no próximo ano, contendo receita básica anual, fundos especiais, demandas físicas, doações planejadas e o que mais for considerado relevante pela organização.

Tendo em mãos a análise completa do perfil da OSC, identificando todos os pontos que envolvem e influenciam o seu funcionamento, inicia-se o processo de averiguar quem são os doadores da organização, entre indivíduos, empresas, governo e outros, a partir de uma análise dos atuais e futuros doadores, a serem fidelizados. Estas fases de diagnóstico que antecipam a escolha das estratégias são cruciais para o resultado final, já que irão auxiliar na seleção dos métodos de captação e portanto devem ser realizadas com seriedade e excelência.

Após as três fases iniciais, o processo de analisar estratégias de captação de recursos é introduzido a fim de maximizar a obtenção de recursos na organização. Michel Freller, vice-presidente do Conselho Deliberativo da Associação Brasileira dos Captadores de Recursos, destaca dois pontos de atenção no planejamento de estratégias de captação: buscar uma boa relação custo-benefício na implementação da estratégia e estabelecer metas factíveis para tal. Um método conveniente para pensar e filtrar as estratégias, idealizado por Freller, é avaliar aspectos como facilidade de realização, investimento necessário, tempo de maturação e retorno financeiro. Somando as avaliações dos pilares em cada estratégia, é possível ter um direcionamento mais assertivo quanto às oportunidades e desafios de cada uma e, então, filtrá-las para uma análise individual detalhada. Por fim, é essencial analisar todas as informações obtidas e compilá-las com o intuito de atingir um resultado final tangível a ser implementado na organização no ano seguinte.

Simon Collings, diretor-executivo da Resource Alliance, sugere que a estratégia de captação de recursos seja parte do planejamento global da entidade e por isso devem ser estabelecidos objetivos a longo prazo com a finalidade de colher resultados excelentes e duradouros. Por fim, realizando todas as cinco fases do planejamento das estratégias de captação de recursos, a OSC estará apta a conseguir o capital necessário para impactar a sociedade civil de maneira significativa e se manter sustentável financeiramente, desde que esteja constantemente acompanhando e atualizando suas estratégias.