Setor Social

3 Técnicas para elaborar um projeto de qualidade

Por 19 de dezembro de 2019 Sem comentários

Um projeto pode ser definido como um esforço temporário realizado para criar um novo e único resultado, com o principal objetivo de satisfazer a necessidade do cliente.

No cenário do terceiro setor, os projetos de consultoria têm enorme importância, já que buscam otimizar métodos e processos de organizações necessitadas, com o principal objetivo de adequar a ONG ao seu escopo e facilitar a conquista das suas metas.

A fim de estruturar um projeto, é necessário que haja uma série de processos e fases, os quais são essenciais para garantir qualidade e eficiência na entrega. Cada uma dessas fases, no entanto, difere dependendo do item de portfólio a ser realizado. Em cada caso, ele é determinado de acordo com as principais necessidades da ONG que forem diagnosticadas pela equipe de consultoria. Apesar disso, existem algumas fases comuns a quase todos os projetos, as quais são indispensáveis para introdução da equipe em qualquer item de portfólio.

A princípio, há uma fase de imersão e contextualização, em que a equipe de consultores entra em contato com os membros da organização, objetivando entender o funcionamento e a área de atuação da ONG, e alinhando as expectativas entre cliente e consultor. É, basicamente, uma fase de diagnóstico inicial.

Em seguida, o mapeamento de stakeholders também é um processo fundamental para dar continuidade a qualquer projeto. Nele, devem ser elencadas todas as partes interessadas, isto é, qualquer pessoa, organização ou órgão que possa afetar ou ser afetado.

Uma terceira fase básica é o mapeamento de atividades, em que os consultores detectam os principais problemas da organização a partir das tarefas e respectivos modo pelos quais estas já são desempenhadas pela organização e identificam de que modo eles podem ser otimizados.

Por último, todo projeto deve ter uma etapa de orçamento, em que o departamento administrativo financeiro precifica o projeto, de acordo com algumas variáveis, como dias úteis de duração, número de consultores envolvidos e número de funcionários da ONG.

É importante ressaltar, contudo, que além das fases citadas, outras fases podem ser necessárias para a estruturação de um projeto, dependendo das necessidades levantadas por cada uma das organizações.

Portanto, para elaborar um projeto de qualidade atrelado às fazes anteriormente citadas, faz-se necessária, de maneira geral a aplicação, dentre outras de três técnicas básicas. Primeiramente, é essencial que se faça uso de ferramentas de análise, como SWOT, PESTEL e 5W2H, as quais auxiliam no reconhecimento do ambiente interno e externo em que a organização está inserida. Além disso, a elaboração de uma estratégia e de modos de aliar-se a cada um dos stakeholders, considerando seu poder e interesse no projeto. Por último, recomenda-se que os projetos tenham um orçamento adequado, levando em conta não só o retorno que a empresa de consultoria vai ter, mas também o impacto que esse custo terá na organização, e seu resultado a longo prazo, considerando que este pode ser um grande passo para um maior e continuado desenvolvimento das organizações.